PLANO DE SAÚDE
Entenda o que é cobrado

O modelo de custeio adotado para Plano A-1, administrado pela Saúde BRB, é baseado na solidariedade e no mutualismo. Além das mensalidades pagas pelos beneficiários e pelas patrocinadoras, a Associação dos Empregados do Banco de Brasília – AEBRB arca com 25% das despesas assistenciais. Aos beneficiários, cabe, ainda, a chamada coparticipação, que corresponde a um percentual do custo de cada procedimento utilizado.

Para que você possa entender melhor como é feita a cobrança das participações do beneficiário, comentamos, a seguir, cada um dos itens que constam no demonstrativo de utilização do Plano.

Contribuição mensal

As contribuições mensais devidas pelos beneficiários são calculadas com base no valor bruto do somatório de todas as quantias que compõem a remuneração do titular, inclusive 13º e, quando for o caso, horas extras e substituições.

Limites para a cobrança de mensalidade

É importante destacar que as contribuições devidas obedecem a limites mínimos e máximos, conforme estabelecido no Regulamento do Plano. O limite máximo refere-se ao “teto” da base de cálculo, e tem como referencial a remuneração equivalente à de Gerente Geral 1 do BRB. Esses limites são reajustados anualmente em janeiro.

Coparticipação

Acoparticipação a cargo do beneficiário consiste no custeio de parte do valor dos procedimentos assistenciais utilizados, cujos parâmetros estão contemplados no Regulamento do Plano.

Limite para a cobrança da coparticipação

Os valores das coparticipações são parcelados automaticamente, todas as vezes que o valor mensal a ser cobrado for superior a 20% dos rendimentos do titular. Nesse caso, o débito é feito com a observância daquele percentual-limite, e o restante é parcelado em tantas vezes quantas necessárias até a quitação total do montante devido, inclusive com a inclusão de novas coparticipações, se for o caso.

Contribua para o uso racional dos recursos

ASaúde BRB prima pela transparência de suas ações e pela administração criteriosa dos recursos direcionados para o custeio do Plano. Mas, para que tenhamos êxito nesse propósito, é necessário que você faça a sua parte. Seja um defensor atuante do seu Plano de Saúde, fiscalize o que lhe é cobrado, use de forma consciente os benefícios disponibilizados por sua Caixa de Assistência e contribua para a sustentabilidade da Instituição.