OSTEOPOROSE

Saiba como prevenir

A nossa estrutura óssea é renovada constantemente e tem o papel de sustentar nosso corpo e fornecer o cálcio necessário para realização de diversas funções vitais, como contração cardíaca e muscular.

Mas o que é osteoporose?

A osteoporose é uma doença que se caracteriza pela fragilidade de massa óssea, com importante alteração de sua microarquitetura, tornando os ossos mais sujeitos a fraturas por baixo impacto.

Trata-se de uma doença silenciosa, isto é, não apresenta sintomas até que aconteça a primeira fratura. Atinge mais de 200 milhões de pessoas em todo o mundo, afetando principalmente as mulheres. Dez milhões de brasileiros sofrem de osteoporose. Uma a cada quatro mulheres com mais de 50 anos desenvolve a doença e a cada ano ocorrem cerca de 2,4 milhões de fraturas decorrentes da osteoporose. Estimativas revelam que a população brasileira propensa a desenvolvê-la aumentou de 7,5 milhões, em 1980, para 15 milhões, em 2000¹. O ideal é que sejam feitos exames preventivos, para que ela seja diagnosticada precocemente.

Onde há maior risco de fraturas?

As fraturas por osteoporose ocorrem mais frequentemente na coluna (vértebras), bacia (fêmur), punho e braço. Essas fraturas ocasionam dor, incapacidade física, deformidades e promovem redução da qualidade e expectativa de vida². As fraturas do quadril são as mais graves e aumentam o risco de morte nos dois anos seguintes à fratura³. Mais da metade dos que sobreviveram são incapazes de ter uma vida independente.

Em qual fase da vida estamos mais expostos ao risco de osteoporose?

Um momento especialmente importante para risco de osteoporose nas mulheres é a menopausa, pois os ossos recebem forte influência do estrogênio, que ajuda a manter o equilíbrio de massa óssea e cai bruscamente, nesse período, favorecendo a perda.

Quais os fatores de risco para osteoporose?

Os fatores de risco mais importantes relacionados à osteoporose e as fraturas são: idade, sexo feminino, etnia branca ou oriental, história prévia pessoal e familiar de fratura em parentes de primeiro grau, baixo índice de massa corporal, presença de doença grave ou uso de corticoide, tabagismo, ingestão abusiva de bebidas alcoólicas, sedentarismo e baixa ingestão dietética de cálcio4.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico precoce da osteoporose é feito pela medida da densidade óssea, através do exame da Densitometria Óssea, indicado para todas as mulheres a partir de 65 anos e para todos homens com 70 anos ou mais. Além disto, todas mulheres menopausadas e todos homens com mais de 50 anos que possuam um dos fatores de risco descritos acima devem realizar o exame para confirmar a presença da osteoporose5.

Para prevenção da osteoporose, devemos manter uma alimentação rica em cálcio com aporte adequado de vitamina D e realizar atividade física. Essas medidas se iniciam na infância e devem nos acompanhar ao longo da vida.

Dra. Ana Medeiros Farias da Mata

Médica Endocrinologista da Clínica SAÚDE BRB

CRM/DF 13388

RQE 8173

Referências

1- Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Osteoporose. PORTARIA Nº 224, DE 26 DE MARÇO DE 2014

2- Diretrizes brasileiras para o diagnóstico e tratamento da osteoporose em mulheres na pós-menopausa. rev bras reumatol. 2017;57(S2):S452–S466.

3- Epidemiology of osteoporotic fractures in Brazil: what we have and what we need. Arq Bras Endocrinol Metab. 2010;54/2

4- O impacto da osteoporose no Brasil: dados regionais das fraturas em homens e mulheres adultos – The Brazilian Osteoporosis Study (BRAZOS). Rev Bras Reumatol 2010;50(2):113-27

5- Recomendações da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) para o diagnóstico e tratamento da hipovitaminose D.