SAÚDE POR DENTRO E POR FORA
Reeducação alimentar e estilo de vida

Dia 31 de março é o Dia da Nutrição. Para comemorar, o Mais Vida apresenta um texto informativo sobre alimentação saudável escrito pela coordenadora da equipe de Nutrição da Clínica Saúde BRB. Aproveite a leitura e coloque as dicas em prática para melhorar sua qualidade de vida.

A escolha de alimentos e o estilo de vida são afetados não apenas pela preferência, mas também pelas transformações que acompanham a experiência de viver em sociedade. A rotina imposta atualmente, trabalho, família, estudos, a falta de tempo para os hábitos de vida saudáveis, cuidar da qualidade dos alimentos e realizar atividade física, tudo isso afetará a qualidade de vida posteriormente.

É importante que se cuide diariamente do estilo de vida. Mas… o que seria este estilo, quais seriam estes hábitos? Beber água, mastigar bem os alimentos, ter boa noite de sono, estar disposto, praticar atividade física, não beber álcool e não fumar são alguns dos exemplos de hábitos mais comuns e que mais deixamos de lado quando mudamos nossa rotina.

Por que fazemos isso? Porque tornamos a rotina mais automática e mais acelerada, sem tempo. E para ter estes hábitos de vida constantes precisamos prestar mais atenção justamente na rotina! Quando temos hábitos ruins, é mais propício desenvolver, principalmente, doenças crônicas não transmissíveis (obesidade, diabetes mellitus, hipertensão ou pressão alta, dislipidemias – colesterol e triglicerídeos elevados, doenças do coração e alguns tipos de câncer). No entanto, elas podem ser prevenidas, aumentando as chances de serem evitadas. Evitadas? Isso mesmo. É possível diminuir os riscos de desenvolver essas doenças fazendo algumas mudanças em nossos hábitos alimentares e estilos de vida. Ao adotar uma vida saudável, a pessoa fica menos suscetível às doenças crônicas; e para quem deseja, é um ato simples, não pense que você deverá fazer tudo de uma vez para ser saudável. Devemos nos reprogramar e iniciar devagar as modificações no estilo de vida. Pensar mais saudável é o primeiro passo para começar.

Assim, se você quer emagrecer e/ou alterar os seus hábitos alimentares, comece cuidando da sua saúde. É importante pensar sobre o assunto e realizar uma autoavaliação. Trata-se de um desafio que requer esforço e disciplina, mas que é possível superar quando o objetivo maior for saúde e qualidade de vida. Quando o estilo de vida que adotamos é saudável, dizemos que estamos agindo todos os dias a favor da nossa saúde e em busca de uma melhor qualidade de vida. O estilo de vida é em parte a forma como as pessoas vivem e as escolhas que fazem, porque algumas das opções que as pessoas fazem estão relacionadas com o local onde vivem, onde trabalham, estudam. Para resumir, podemos dizer que é a forma como as pessoas se relacionam com elas mesmas, com os outros e com a natureza.

Os hábitos alimentares fazem parte da cultura alimentar, pois são o que aprendemos com nossos pais, avós, tios, primos, passados de geração em geração. Ao longo da nossa vida são influenciados, também, por outros fatores como: ambiente social e familiar, religião, condições financeiras, tecnologias alimentares, propagandas de rádio, jornal, revistas, TV etc. Comer arroz com feijão todos os dias é hábito alimentar dos brasileiros. E para começar uma reeducação alimentar, não precisamos retomar os hábitos da mesma forma que fazíamos antigamente. Precisamos melhorar a qualidade do estilo de vida associada com uma melhor qualidade dos alimentos a serem consumidos.

Outro fator que influencia para uma vida mais saudável é o peso corporal. Precisamos manter um peso corporal adequado, para que as chances de ocorrer doenças crônicas sejam diminuídas. O peso corporal é a soma dos nossos ossos, músculos, órgãos, sangue e fluídos corporais e da nossa gordura. Alguns ou todos esses componentes que determinam o nosso peso podem sofrer alterações dependendo da fase da vida (na infância, na adolescência, na gestação ou durante o envelhecimento). Quando falamos em monitorar e cuidar do peso, queremos dizer que é importante procurar fazer a manutenção de um peso saudável ao longo da vida. Segundo vários estudos, essa pode ser uma das formas mais importantes de proteger as pessoas contra as doenças crônicas. O excesso de peso na infância e na adolescência aumenta as chances de excesso de peso e obesidade na vida adulta.

A quantidade de alimentos que consumimos deve estar de acordo com a quantidade de energia que gastamos para realizar nossas atividades diárias. Quando consumimos mais alimentos do que a energia que gastamos, nosso organismo armazena o excesso dessas calorias em forma de gordura corporal. Assim é que a pessoa engorda, podendo vir a se tornar obesa, e contribuindo para o aparecimento de outras doenças crônicas. Portanto, para reduzir o peso, precisamos consumir uma quantidade de alimentos menor do que a quantidade de energia que gastamos. A prática regular de atividade física e as
escolhas alimentares corretas auxiliarão na redução do peso e na melhoria da qualidade de vida para aqueles que precisam. E, também, ajudará aqueles que querem manter a forma e ter uma vida mais saudável.

A prática de atividade física é importante para todos, sem distinção de idade, tanto para promoção da saúde quanto para a prevenção das doenças. Para os portadores de algumas doenças crônicas, é necessária uma avaliação prévia de seu médico e um acompanhamento mais específico da equipe de saúde e de um profissional da educação física, o qual é capacitado a ajudar a escolher a atividade física mais adequada.

Veja abaixo algumas dicas importantes para a reeducação alimentar:

– Beba muita água; se possível, de 8 a 10 copos de água (200 ml) por dia;

– Procure mastigar lentamente seus alimentos (refeições maiores, como almoço e jantar, procure fazê-los em 15 minutos; demais lanches, o mais lento que conseguir);

– Sempre que possível, alie a alimentação saudável a exercícios físicos;- Diminua, ou melhor, livre-se de hábitos regulares como ir a restaurantes de fast food ou alimentos industrializados;

– Troque o refrigerante por sucos naturais, de preferência, os não adoçados;

– Coma frutas e hortaliças; se possível, consulte um nutricionista para recomendar adequadamente o consumo destes alimentos;

– Procure evitar alimentos ricos em gorduras como: frituras, queijos amarelos, carnes gordas, manteiga, etc., alimentos ricos em açúcares: doces, guloseimas, massas, pães brancos, etc., e consumo aumentado de sódio, como produtos industrializados (excesso), temperos prontos (caldos em cubos, alho e sal industrializado, corantes, temperos que levem glutamato monossódico).

O Ministério da Saúde recomenda 10
passos para a alimentação saudável:

1. Fazer de alimentos a base da alimentação;

2. Usar óleos, gorduras, sal e açúcar com moderação;

3. Limitar o uso de produtos prontos para consumo;

4. Comer com regularidade e com atenção e em ambientes apropriados;

5. Comer em companhia;

6. Fazer compras de alimentos em locais que ofertem variedades de alimentos frescos e evitar aqueles que só vendem produtos prontos para consumo;

7. Desenvolver, exercitar e partilhar habilidades culinárias;

8. Planejar o uso do tempo para dar à alimentação o espaço que ela merece;

9. Dar preferência, quando fora de casa, a locais que servem refeições feitas na hora e evitar redes de fast food;

10. Ser crítico quanto a informações, orientações e mensagens sobre alimentação veiculadas em propagandas comerciais.

Luciana Galdino
Nutricionista